Importação direta é complexa, mas vale a pena. Veja porquê.

Importação direta é complexa, mas vale a pena. Veja porquê.

Se você chegou até a esta página, é provável que esteja querendo entender como funciona a prática de importação direta, tem consciência que se trata de uma operação delicada, e principalmente, já sabe dos lucros que o seu negócio pode ter com esse formato de compra. Resta agora, compreender a real complexidade de todo o processo.

É o que você verá a seguir.

Não há nenhuma novidade ou surpresa quanto ao fato do Brasil ser um país extremamente burocrático em todos os setores, em relação à importação não seria diferente. É o principal fator que torna complexa a prática de importar. Ao citar burocracia, estamos falando de um sistema de execução de atividade extremamente exigente e detalhista, que por muitas vezes acaba travando a ação de inúmeras empresas, fazendo com que a importação se torne um projeto cada vez mais distante.

Essa tendência burocrática se perpetua desde os tempos da coroa portuguesa no Brasil e têm se mantido quase que como um legado na administração pública e particular do nosso país, isso acarreta um impacto direto na indústria. 

Apesar disso, importar matéria-prima e produtos de outros países para revenda ou produção própria e o repasse com alta margem de lucro têm se tornado a realidade de muitas empresas que se propuseram a buscar conhecimento, e principalmente orientação de quem tem experiência no assunto, é assim que a rentabilidade supera a complexidade na hora de importar.

Em resumo, a burocracia é o que torna a importação direta complexa. Ao procurar ajuda profissional, sua empresa minimiza desgastes desnecessários.

É preciso se atentar ao tratamento administrativo

No mercado da importação usamos o termo “tratamento administrativo” para nomear o conjunto de procedimentos que devem ser realizados com a mercadoria antes mesmo do embarque, isso acontece por orientação da Receita Federal e para cada categoria de produtos, existem autorizações e/ou documentações específicas que configuram processos diferentes.

Verifique se o produto que deseja importar necessita de um tratamento administrativo diferenciado junto a algum órgão anuente.

NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) é o código que definirá qual tratamento administrativo a sua importação irá adotar. Basicamente todas as categorias de mercadorias possuem um NCM justamente para esse fim: estipular os procedimentos que deverão ser realizados durante a transação. Esse código também deve ser preenchido nos documentos relacionados a comércio exterior, principalmente, a nota fiscal.

Primeiro pilar: importação direta é para empresas

Para compreender um assunto é necessário primeiro entender seus fundamentos e pilares. Aqui na IBSolutions acreditamos na prestação de serviços que agreguem aprendizados, por isso, neste blog dividimos com você um pouco do nosso conhecimento e vivência neste mercado.

Dito isso, começaremos a discorrer sobre a complexidade da importação direta observando o fato de muitas pessoas ainda se recusarem a acreditar que importação no Brasil é apenas para pessoa jurídica.

Entenda que sem um negócio, sem que haja uma empresa por trás, você não poderá comprar de fora para revender aqui no Brasil. Além disso, importar na pessoa física não vale a pena levando em consideração a carga tributária muito maior e uma série de obrigações que na pessoa jurídica fica muito mais fácil cumprir como documentações, autorizações e responsabilidades com a Receita (tratamento administrativo que citamos acima). Esse é um dos pilares básicos na importação.

O que também costuma acontecer é a frustração de profissionais como artesãos, produtores rurais, entre outros, que decidem importar achando que não precisam ter uma empresa para isso, e de repente tomam consciência que se trata de um processo realmente minucioso.

Caso já tenha conseguido exportar de alguma forma sem possuir um CNPJ, saiba que você fez parte de uma pequena parcela cuja mercadoria não foi fiscalizada, entretanto, saiba que essa não é a regra.



Importar não acontece da noite para o dia. Conheça o seu mercado e o retorno virá.

Ao longo dos nossos 10 anos de mercado conhecemos alguns casos de pessoas que decidiram importar da noite para o dia simplesmente porque viram ou souberam de alguém que estava faturando alto importando.

Não funciona assim.

Importar diretamente com o fornecedor estrangeiro não é algo que você simplesmente acorda em uma manhã querendo fazer.

É preciso ter conhecimento sobre o ramo que deseja atuar para saber exatamente tudo o que deve ser providenciado naquela importação, dependendo do produto a ser importado é preciso algum controle prévio, como registros, licenças e autorizações.

Por exemplo:

– logística diferenciada como container refrigerado

– obrigações com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO)

– cota…Entre outros.

Para importar produtos como alho, vinho ou leite em pó é necessário a anuência do Ministério da Agricultura, enquanto para importar cosméticos, remédios e suplementos é preciso ter uma autorização específica da Anvisa.

Estes são detalhes que devem ser levados em consideração na hora de importar. Complexo, porém, necessário para que tudo ocorra como o esperado.

 

Importar no Brasil significa pagar imposto

Já deu pra perceber que importar não é fácil, além da burocracia, o Brasil também é o país dos impostos. Não pense que irá conseguir importar matéria-prima com o famoso “jeitinho brasileiro” driblando os encargos tributários. Qualquer deslize em uma operação pode gerar multas.

Em relação a carga tributária é praticamente duplicar ou triplicar o preço original do produto. Você vai pagar Imposto de Importação (II), IPI, PIS e Cofins, nos tributos federais, e ICMS no tributo estadual.

A tributação pode ter relação com os números relacionados à importação nos últimos anos, em 2019 assim como a exportação, as importações brasileiras tiveram uma variação negativa significativa de -2,1% em comparação ao ano de 2018. No ano de 2019 a importação do Brasil fechou em US $177.347,9 milhões. Já em 2020, até maio, importamos o total de US$ 68.945,90. 

Importar por aqui exige no mínimo: fatura comercial, packing list e conhecimento de embarque.

 

Conclusão

Até aqui nosso objetivo foi esclarecer sobre a complexidade da importação direta principalmente para iniciantes, apesar disso, desde que seu negócio esteja ciente dos processos essa prática pode render ótimos lucros.

Nossa equipe domina todos os trâmites relacionados a essa atividade e está à disposição para te acompanhar nessa jornada. Vamos juntos?

Entre em contato e marque uma reunião conosco para começar esse projeto.